Páginas

terça-feira, 31 de julho de 2012

LAVAGEM DE ÁGUA.


SPBC - Tecnologia solar para desinfecção de água

Com informações do INPA - 27/07/2012
SPBC - Tecnologia solar para desinfecção da água
O equipamento é portátil, pesando apenas 13 quilogramas, com capacidade para purificar 400 litros de água por hora.[Imagem: Roland Vetter]
Lavar água
"Nós lavamos água".
O anúncio insólito, estampado no estande do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) logo chama a atenção do público que visita os estandes da ExpoT&C, mostra de ciência, tecnologia e inovação que acontece durante aReunião Anual da SBPC.
A tecnologia de desinfecção solar da água consiste na eliminação dos germes pela exposição aos raios ultravioleta, sem o uso de substâncias químicas.
O sistema solar de desinfecção de água foi desenvolvido pelo pesquisador do INPA, Roland Vetter.
Trata-se de um sistema solar capaz de tornar águas sujas de rios e lagos em água potável livre de germes, que já foi testado com sucesso em aldeias remotas na região Amazônica.
Desinfecção com luz solar
A pesquisa estudou um método que tem sido demonstrado pela própria natureza há milhões de anos, ou seja, a desinfecção por meio de radiação ultravioleta tipo C.
O equipamento é compacto e agrupa tudo em uma única caixa alimentada por energia solar.
O equipamento, pesando apenas 13 quilogramas, purifica 400 litros de água por hora. Ou seja, a inovação é portátil, podendo ser transportado facilmente para comunidades.
O investimento do aparelho pode variar entre R$1,5 e R$10 mil, dependo das condições onde o aparelho será instalado.
"O que se descobriu foi que uma luz que emite raios ultravioletas é capaz de eliminar germes, ou seja, pode purificar a água somente com uma questão física, sem outras modificações químicas. Porém, para que isso aconteça, a água precisa estar o mais translúcida possível". explica Carlos Roberto Bueno, coordenador de extensão do INPA.
A inovação pode ser considerada como um método para proteção contra bactérias e outros microrganismos perigosos, em alguns casos podem produzir efeitos negativos não somente para o ser humano, mas também para o meio ambiente.
INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

ROBÔ CURIOSIDADE CHEGARÁ A MARTE NA MADRUGADA DE 06 DE AGOSTO.

Robô Curiosidade enfrenta problemas ao chegar a Marte

Com informações da ESA - 30/07/2012
Robô Curiosidade enfrenta problemas ao chegar a Marte
Um guindaste espacial deverá depositar o robô Curiosidade no solo marciano e se afastar rapidamente, caindo a alguns quilômetros de distância.[Imagem: ASA/JPL-Caltech]
Problemas a caminho
Dentro de uma semana, o maior robô já enviado ao espaço deverá chegar a Marte.
Se tudo der certo, o Curiosidade, também chamado de Laboratório Científico de Marte, fará uma aterragem espetacular no Planeta Vermelho.
Os últimos dias foram tensos porque a sonda espacial Mars Odyssey, da NASA, apresentou uma falha de navegação, correndo o risco de não estar onde deveria para que os engenheiros acompanhem a delicada missão de descida do Curiosidade.
Ainda não está totalmente garantido que os engenheiros consigam colocá-la na posição adequada a tempo.
Este é o segundo problema grave da missão, depois que se descobriu que o robô Curiosidade vai contaminar amostras de Marte.
Missões humanas
O problema com a sonda espacial não deverá atrapalhar a operação propriamente dita, já que o robô Curiosidade fará sua complexa descida, que deverá durar cerca de 7 minutos, de forma autônoma.
Mas pode atrapalhar o monitoramento em tempo real e o rastreamento de alguma eventual falha.
Felizmente, duas outras sondas espaciais estão a postos, e deverão fazer adequadamente sua parte - a MRO (Mars Reconnaissance Orbiter), também da NASA, e a Mars Express, da ESA (Agência Espacial Europeia).
A aterragem na Cratera de Gale marcará o início de um programa de exploração ambicioso, para estudar a habitabilidade, o clima e a geologia de Marte, além de colher dados para futuras missões humanas ao planeta.
O MSL, ou Curiosidade, é o maior rover planetário já enviado a Marte, onde deverá pousar na madrugada do dia 6 de Agosto.
Robô Curiosidade enfrenta problemas ao chegar a Marte
Alguns chamam de "aterragem maluca", enquanto outros só pensam no medo que sentirão de que a complicada série de eventos falhe em algum ponto. [Imagem: NASA/ESA]
Minutos de terror
Quando a nave entrar na atmosfera do planeta, a 21.000 km/h, vão começar o que os engenheiros da NASA chamam de "sete minutos de terror", durante os quais os sofisticados sistemas de entrada, descida e aterragem desacelerarão a nave até que ela atinja uma velocidade de menos de 3,6 km/h, para que toque o solo suavemente.
A pedido da NASA, a Mars Express, em órbita do planeta desde Dezembro de 2003, também estará ao serviço durante aqueles sete minutos, retransmitindo dados que poderão ser cruciais no caso de alguma coisa correr mal.
Os engenheiros europeus estão ativando um instrumento que foi projetado para se comunicar com o robô Beagle 2, que foi a Marte junto com a Mars Express, mas que se perdeu na operação de aterragem.
"Começamos a otimizar a nossa órbita há alguns meses, para que a Mars Express tenha uma órbita devidamente alinhada e com boa visibilidade para a trajetória planejada para o MSL," disse Michel Denis, diretor de operações da Mars Express.
Terminado o procedimento, a Mars Express irá desacelerar novamente para apontar sua antena em direção à Terra e transmitir os dados gravados, que serão recebidos por uma estação da ESA na Austrália.
"A cooperação científica e técnica em Marte entre a ESA e a NASA é uma atividade de longa duração e de benefícios mútuos, que nos ajudam a reduzir riscos e a aumentar o retorno dos resultados científicos," disse Denis.
INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

INTERNET ULTRA RÁPIDA COM FIBRAS ÓPTICAS.

Internet em casa com fibras ópticas

Com informações da Cordis - 30/07/2012
Internet em casa com fibras ópticas
Universidades e empresas demonstraram que a arquitetura funciona. Agora eles partirão para os primeiros testes reais de campo. [Imagem: Sardana Project]
Sonho internético
Internet extremamente rápida, conexões mais robustas e um grande aumento na capacidade da rede, mesmo em áreas rurais, tudo com custo baixo.
É o tipo de fantasia que mantém os executivos das empresas de telecomunicações e os usuários da internet sonhando acordados ... até agora.
Uma nova tecnologia de fibras ópticas desenvolvida por um consórcio europeu promete tudo isso e muito mais.
O grupo de engenheiros de universidades, institutos de pesquisa, fornecedores de equipamentos e operadores de telecomunicações se uniu em torno do projeto SARDANA (Scalable advanced ring-based passive dense access network architecture).
Internet a velocidade da luz
O objetivo era desenvolver técnicas pioneiras para melhorar drasticamente a escalabilidade e a robustez das redes de fibras ópticas.
O grupo estava especialmente interessado em viabilizar a chegada das fibras ópticas até as residências, escritórios e empresas.
O projeto demonstrou a viabilidade de velocidades de conexão de até 10 Gigabits por segundo (Gbps) - cerca de 2.000 vezes mais rápido do que a maioria das conexões à internet de hoje.
Mais importante para que isso se torne uma realidade, os pesquisadores mostraram que tais velocidades podem ser atingidas com um custo extra relativamente modesto, usando a infraestrutura de fibras ópticas já existente e componentes já disponíveis no mercado.
Redes ópticas passivas
As redes de fibras ópticas que chegam até as residências (fibre-to-home networks), também conhecidas como redes ópticas passivas, têm uma estrutura em árvore, com o papel de raiz desempenhado por uma central de comutação.
O termo "passivo" refere-se à utilização de divisores ópticos que não precisam de energia adicional para funcionar.
Da central, um grosso tronco principal de cabos se espalha em ramos cada vez mais finos, até que uma única fibra chegue até as casas ou empresas.
As redes passivas convencionais usam o protocolo TDM (Time Division Multiplexing), um método de multiplexação no qual os sinais são transferidos de forma aparentemente simultânea, como sub-canais em um canal de comunicação. Mas, na realidade, eles estão fisicamente se revezando no canal.
Na prática, isso significa que uma conexão de 5 Gbps no escritório central pode se transformar em uma conexão de 30 Mbps na casa ou empresa do cliente. Pior do que isso é que a banda de subida, que transmite os dados do cliente para a internet, é apenas uma fração disso.
De árvores a anéis
Os pesquisadores do projeto Sardana estão propondo uma abordagem diferente e totalmente nova, permitindo não apenas conexões muito mais rápidas, mas também maiores capacidade e robustez.
Em vez de uma única grande árvore, eles estão propondo usar várias árvores menores ramificando até os usuários finais a partir de um anel principal.
O anel transmite os sinais bidirecionalmente a partir da central utilizando o protocolo WDM (Wave Division Multiplexing), uma tecnologia de multiplexação que permite o transporte simultâneo de diferentes sinais na mesma fibra óptica, utilizando diferentes comprimentos de onda de laser - lasers de várias cores.
Em nós remotos ao longo do anel, os sinais são separados em árvores de fibras únicas que irão até as residências e empresas, utilizando a tecnologia TDM.
A abordagem do anel bidirecional aumenta a robustez da rede, porque se o cabo for interrompido em qualquer ponto no anel WDM, o sinal continuará chegando até os usuários finais pelo outro lado. Ele também resulta em aumentos maciços na velocidade de conexão.
Embora ainda em fase experimental, se implantada comercialmente, a tecnologia marcaria um grande salto no desempenho das redes totalmente ópticas, solucionando um dos maiores desafios atualmente enfrentados pelos prestadores de serviços e pelos consumidores: maior velocidade e segurança na manutenção dos sinais.
INOVAÇÃO TÉCNOLÓGICA

O LULA DISSE TER PAGO A DÍVIDA, MAS MENTIRA TEM PERNAS CURTA.

Contas do governo registram superávit primário de R$ 48 bi no primeiro semestre

O valor equivale a um recuo de 14,1% na comparação com o mesmo período do ano passado. O superávit primário é a economia feita para pagar juros da dívida e tentar manter a sua trajetória de queda.
Economia (Foto: reprodução)RÁDIO CBN (GLOBO)

segunda-feira, 30 de julho de 2012

CAFÉ É TUDO DE BOM.

Café pode fornecer proteção contra a insuficiência cardíaca
Estudo conduzido no Beth Israel Deaconess Medical Center, nos EUA, indica que risco é 11% menor para quem toma a bebida
"Nossos resultados mostraram um possível benefício, mas, como com tantas outras coisas que nós consumimos, isso realmente depende da quantidade de café que você bebe", diz a autora do estudo, Elizabeth Mostofsky. Segundo ela, em comparação com ausência de consumo, a proteção mais forte foi entre pessoas que bebiam cerca de suas porções de 236 ml por dia de café, o que equivale a aproximadamente dois copos americanos (250ml).

Dados foram analisados a partir de cinco estudos anteriores - quatro realizado na Suécia e um na Finlândia - que examinaram a associação entre consumo de café e insuficiência cardíaca. Os dados se referem a relatos de 140,220 participantes e envolveu 6.522 eventos de insuficiência cardíaca.

Em resumo da literatura publicada, os autores encontraram uma "relação estatisticamente significativa - J-shaped -" entre o consumo habitual de café e insuficiência cardíaca, na qual os benefícios de proteção começam a aumentar até o consumo aproximado de dois copos americanos por dia (472ml). Resultados apontam que o fator de proteção começa a apresentar queda lenta à medida que o consumo aumenta além dos dois copos diários. O consumo de aproximadamente cinco copos americanos já não está relacionado a nenhuma proteção contra insuficiência cardíaca, podendo levar a prejuízos à saúde.

Não está claro por que o consumo moderado de café fornece proteção contra insuficiência cardíaca, mas os pesquisadores dizem que parte da resposta pode estar na intersecção entre o consumo regular de café e dois dos fatores de risco para insuficiência cardíaca - diabetes e pressão arterial elevada.

"Há uma boa quantidade de pesquisas que mostram que beber café reduz o risco de diabetes tipo 2", diz o autor sênior do estudo Murray Mittleman."É lógico que se você diminuir o risco de diabetes, você também diminuir o risco de insuficiência cardíaca."

Também pode haver um benefício na pressão arterial. Estudos têm mostrado consistentemente que consumo leve de café e cafeína aumenta a pressão arterial. "Mas em que escala moderada do consumo, as pessoas tendem a desenvolver uma tolerância onde beber café não representa um risco e pode até proteger contra a elevação da pressão arterial", diz Mittleman.

Segundo, Mostofsky mais pesquisas são necessárias para identificar mais claramento os efeitos do café sobre a insuficiência cardíaca. "Mas no curto prazo, esses dados podem justificar uma mudança com as diretrizes para refletir que o consumo de café, com moderação, pode proporcionar alguma proteção contra a insuficiência cardíaca", conclui a pesquisadora.

Fonte: Consumidor RS
Autor: Agências Internacionais
Revisão e Edição: de responsabilidade da fonte

RS

sexta-feira, 27 de julho de 2012

ATENÇÃO PARA AS CIDADES QUE RECEBERÃO O NONO DÍGITO PARA CELULAR.

Veja a lista completa das cidades que terão de acrescentar o 9º dígito
A partir do dia 29 de julho, as com DDD 11 terão que incluir o dígito 9 nos números de celular
A partir do próximo domingo, 29 de julho, todas a linhas de telefonia celular, com código de área 11, ganharão mais um dígito no número.
O número nove vai entrar a frente do número principal da linha em São Paulo, capital e outros 63 municípios do estado. A mudança, segundo a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), tem como objetivo ampliar os recursos de numeração de celulares pertencentes a este código.
Com a mudança para fazer uma ligação interurbana para números de São Paulo será preciso colocar primeiro o zero, depois o código da operadora, 11, que é o código de área, o dígito nove, mais o número do telefone.
Confira a lista completa de cidades que terão de acrescentar o nono dígito nos números de celular:
  • Alumínio
  • Araçariguama
  • Arujá
  • Atibaia
  • Barueri
  • BiritibaMirim
  • Bom Jesus dos Perdões
  • Bragança Paulista
  • Cabreúva
  • Caieiras
  • Cajamar
  • Campo Limpo Paulista
  • Carapicuíba
  • Cotia
  • Diadema
  • Embu
  • EmbuGuaçu
  • Ferraz de Vasconcelos
  • Francisco Morato
  • Franco da Rocha
  • Guararema
  • Guarulhos
  • Igaratá
  • Itapecerica da Serra
  • Itapevi
  • Itaquaquecetuba
  • Itatiba
  • Itu
  • Itupeva
  • Jandira
  • Jarinu
  • Joanópolis
  • Jundiaí
  • Juquitiba
  • Mairinque
  • Mairiporã
  • Mauá
  • Mogi das Cruzes
  • Morungaba
  • Nazaré Paulista
  • Osasco
  • Pedra Bela
  • Pinhalzinho
  • Piracaia
  • Pirapora do Bom Jesus
  • Poá
  • Ribeirão Pires
  • Rio Grande da Serra
  • Salesópolis
  • Salto
  • Santa Isabel
  • Santana de Parnaíba
  • Santo André
  • São Bernardo do Campo
  • São Caetano do Sul
  • São Lourenço da Serra
  • São Paulo
  • São Roque
  • Suzano
  • Taboão da Serra
  • Tuiuti
  • Vargem
  • Vargem Grande Paulista
  • Várzea Paulista

Fonte: InfoMoney
Autor: Welington Vital de Oliveira
Revisão e Edição: de responsabilidade da fonte

RS

CASAS QUE RESISTEM A TERREMOTOS.

Casas de baixo custo resistentes a terremotos

Redação do Site Inovação Tecnológica - 25/07/2012
Casas de baixo custo resistentes a terremotos
O sistema de alvenaria integral usa um conjunto entrelaçado de suportes feitos com barras de aço de construção - ou vergalhões -, as mesmas usadas para a construção de lajes e concreto armado. [Imagem: Orta et al.]
Sistema de alvenaria integral
Engenheiros da Universidade Politécnica de Madri, na Espanha, projetaram e construíram várias casas de baixo custo resistentes a terremotos.
Embora países ricos, como o Japão, detenham grande tecnologia para a construção de edifícios resistentes a abalos sísmicos, o Haiti não se recuperará tão cedo do terremoto que devastou o país em 2010.
Foi pensando em criar uma alternativa de baixo custo, acessível para regiões mais pobres, que Belén Horta e seus colegas desenvolveram um novo sistema de construção, que eles batizaram de IMS (Integral Masonry System: sistema de alvenaria integral).
Antiterremoto de baixo custo
Os resultados dos testes práticos, com construções reais, feitas com vários tipos de materiais, provaram que uma casa construída com este sistema estável suporta terremotos fortes, que submetam a construção a acelerações de até 1,8 g.
Além disso, passado o tremor, basta que as eventuais trincas sejam consertadas para que a construção retorne ao seu nível original de resistência.
E isso foi obtido usando apenas materiais de construção disponíveis em áreas muito pobres, como adobe, tijolos furados, blocos de concreto e aço de construção.
Casas de baixo custo resistentes a terremotos
Um dos protótipos de casa resistentes a terremotos - a maior a ser testada foi construída com 72 metros quadrados. [Imagem: UPM]
Suportes entrelaçados
O sistema de alvenaria integral usa um conjunto entrelaçado de suportes feitos com barras de aço de construção - ou vergalhões -, as mesmas usadas para a construção de lajes e concreto armado.
Esses suportes são dispostos de forma a terem interseções em três direções, criando uma malha muito resistente aos sacolejos aleatórios de um terremoto.
Vem então o mais interessante.
O interior dos suportes de aço pode ser preenchido com o material de construção que estiver disponível, o que inclui de tijolos comuns a barro usado para fazer adobe, e até rejeitos.
Por cima, uma única laje comum é suficiente para dar rigidez à construção.
Recuperável
O que torna o sistema de alvenaria integral ainda mais interessante para áreas pobres é que ele dispensa o concreto, podendo ser feito inteiramente com materiais locais - apenas o aço de construção precisaria ser trazido de fora.
"Além disso, esse sistema de construção alternativo possibilita reconstruir as casas afetadas por um terremoto com a mesma segurança necessária para enfrentar outra catástrofe futura," dizem os pesquisadores.
Bibliografia:

Experimental study of the Integral Masonry System in the construction of earthquake resistant houses.
Belén Orta, Rosa Bustamente, José María Adell
Materiales de Construccion
Vol.: 62 (305): 67-77
DOI: 10.3989/mc.2012.63810
INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

PABLO DAMASCENO, PARABÉNS!


Nanotecnologia

Entropia produz a ordem e cria nanoestruturas complexas

Redação do Site Inovação Tecnológica - 27/07/2012
Entropia produz a ordem e cria nanoestruturas complexas
A entropia cuida de organizar as nanopartículas em cristais regulares, cristais líquidos, cristais plásticos ou vidros. [Imagem: Pablo Damasceno et al./Science]
Auto-organização
O cientista brasileiro Pablo Damasceno é o principal autor de um estudo publicado no exemplar desta semana da revista Science que promete mudar o jogo no campo da nanotecnologia e da nanofabricação.
Cada vez em maiores apuros para manter o ritmo da miniaturização, sobretudo no campo da eletrônica, a indústria deposita suas esperanças na chamada fabricação "de baixo para cima", que torna possível alcançar uma precisão que não pode ser obtida pelas técnicas tradicionais "de cima para baixo".
Embora o conceito teórico proponha o uso de átomos e moléculas como blocos básicos de construção, o uso de nanopartículas é muito mais viável e realista, principalmente se baseado em técnicas de automontagem.
"Um dos maiores desafios em nanoengenharia química e de materiais hoje em dia é o de como criar novas estruturas - normalmente envolvendo arranjos complicados de nanopartículas - de uma forma completamente espontânea, auto-organizada, simplesmente seguindo as leis da termodinâmica," explica Damasceno.
"De fato, se quisermos continuar a criar eletrônicos com mais e mais transistores por centímetro quadrado, logo atingiremos o limite no qual será impossível organizar as partículas no padrão adequado devido a seu tamanho nanoscópico e à quantidade imensa. Um método de auto-organização, portanto, é o desejado," completou ele.
Sólidos complexos
Um método agora não apenas desejado, mas muito mais próximo da realidade, graças ao trabalho que o brasileiro e seu colega Michael Engel fizeram no laboratório da Dra. Sharon Glotzer, na Universidade de Michigan, nos Estados Unidos.
Eles desenvolveram um método capaz de prever como as nanopartículas dispersas em um fluido vão se organizar autonomamente para formar um sólido com base em apenas dois parâmetros: o formato das partículas e a quantidade de vizinhos presentes no fluido.
O mais promissor, contudo, é que, em vez de nanopartículas esféricas, com as quais a quase totalidade dos grupos de pesquisas ao redor do mundo trabalha hoje, Damasceno trabalhou com poliedros de formatos muito complexos.
Enquanto nanopartículas esféricas costumam se aglomerar em estruturas cristalinas simples, sem grandes aplicações práticas, formatos sólidos bem definidos podem gerar estruturas em macroescala igualmente bem definidas, abrindo a possibilidade de fabricação de peças e materiais complexos.
Entropia produz a ordem e cria nanoestruturas complexas
As possibilidades de auto-organização das nanopartículas sólidas são praticamente inumeráveis, abrindo enormes possibilidades de sintetização de novos materiais. [Imagem: Pablo Damasceno et al./Science]
Ordem pela entropia
E, em vez de um complexo processo de fabricação, tudo o que é necessário fazer com as nanopartículas é deixar que as coisas aconteçam por si sós, levadas pela entropia.
Embora normalmente associada a uma tendência à desordem, a entropia também pode causar a ordem, fazendo os objetos se organizarem - basta restringir o espaço disponível para que esses objetos se rearranjem.
Quando postas em um espaço pequeno o suficiente, em vez de se espalharem aleatoriamente, as partículas começam a formar estruturas ordenadas, de forma similar à que acontece quando os átomos se organizam para formar cristais.
Em 2010, outra pesquisa do mesmo grupo mostrou a possibilidade de que tetraedros se organizassem para formar quasicristais, as incríveis estruturas que valeram oPrêmio Nobel de Química de 2011 ao persistente Dr. Dan Shechtman.
Mas Damasceno não se contentou com tetraedros e fez os cálculos para verificar as possibilidades de auto-organização de 145 formatos diferentes de nanopartículas - ele estudou poliedros platônicos, de Archimedes, de Johnson, de Catalan, entre outros.
Isso foi suficiente para mostrar que existem correlações claras entre a forma das nanopartículas e as estruturas que elas geram.
"Não só isto, mas as correlações foram tão claras que nos proporcionaram a possibilidade de predizer, para qualquer poliedro convexo, qual o tipo de estrutura no qual ele irá se auto-organizar," explicou Damasceno.
Entropia produz a ordem e cria nanoestruturas complexas
Da esquerda para a direita, o brasileiro Pablo Damasceno, Sharon Glotzer e Michael Engel, autores do estudo que promete mudar o jogo no campo da nanofabricação. [Imagem: UMich]
Cristais ou vidros
Quase 70% dos formatos estudados resultaram em estruturas do tipo cristalino criadas apenas pela atuação da entropia - eles obtiveram até uma complicadíssima estrutura cristalográfica conhecida como gamma-Brass, formada por unidades repetitivas de 52 partículas cada uma.
"Esta é uma estrutura cristalina extraordinariamente complexa mesmo para átomos, o que dirá para partículas isoladas, que não podem se ligar quimicamente," comentou a professora Glotzer.
Além de cristais normais, as partículas podem formar cristais líquidos, como os usados em telas de TV e monitores de computador, e cristais plásticos, nos quais as partículas podem girar sobre si mesmas sem sair do lugar. Sem contar as estruturas totalmente desordenadas, semelhantes aos vidros.
"Com isso, qualquer pesquisador interessado em criar um determinado tipo de estrutura usando nanopartículas poderá consultar nossa tabela e então tentar sintetizar a nanopartícula que irá dar origem a tal estrutura," resume Damasceno.
E também poderão fazer o inverso: partindo das propriedades desejadas do material que desejam construir, poderão calcular o formato da partícula necessária para a tarefa.
O piauiense Pablo Damasceno fez sua graduação na Universidade Federal de São Carlos (SP) e está há três anos no grupo da professora Sharon Glotzer, na Universidade de Michigan, em Ann Arbor.
Bibliografia:

Predictive Self-Assembly of Polyhedra into Complex Structures
Pablo F. Damasceno, Michael Engel, Sharon C. Glotzer
Science
Vol.: 337 no. 6093 pp. 453-457
DOI: 10.1126/science.1220869

A Roadmap for the Assembly of Polyhedral Particles
Joost de Graaf, Liberato Manna
Science
Vol.: 337 no. 6093 pp. 417-418
DOI: 10.1126/science.1226162

BANDA LARGA

Google lança serviço de banda larga de altíssima velocidade

Serviço Google Fiber promete velocidade de navegação mais de cem vezes superior a de algumas das melhores companhias tradicionais de telecomunicação e cabo dos Estados Unidos.
A velocidade de download será de quase 1 gigabit (mil megabits) por segundo, de acordo com executivos do Google que estavam na apresentação em Kansas City (Missouri).
O Google investiu na construção de redes de fibra em Kansas City em 2011 após pedir em 2010 que cidades identificassem regiões que estariam interessadas em fazer parte do projeto.
O Google informou, ainda, que vai lançar o serviço de internet apenas com velocidade de 1 Gbps e armazenamento em nuvem de 1 terabyte por US$ 70 ao mês.
Google tem lucro de US$ 2,89 bilhões no primeiro trimestre (Foto: Reprodução)
CBN

quinta-feira, 26 de julho de 2012

PETIÇÃO DO AVAAZ

Caros amigos do Brasil, 



A comunidade quilombola do Rio dos Macacos está lutandocontra o tempo. Em apenas algumas dias, uma ordem da justiça pode tirar a comunidade das terras em que vive há mais de 200 anos. Somente uma grande mobilização popular pode impedir que a pressão da Marinha prevaleça. Junte-se a essa luta agora, e a Avaaz e o defensor público que defende os quilombolas entregarão a petição diretamente para o juiz quando alcançarmos 50.000 assinaturas: 

Sign the petition
Em poucos dias, 200 anos de cultura tradicional podem ser extintos. A comunidade quilombola de Rio dos Macacos na Bahia pode ser expulsa de suas terras para a construção de uma base da Marinha. Mas a solução para o problema está a nosso alcance! 

A Marinha do Brasil quer expandir a Base Naval de Aratu a todo custo, mesmo que tenha que devastar uma tradição centenária e expulsar os quilombolas da região. Os pareceres técnicos do governo já afirmaram que os quilombolas têm direito àquela terra, mas eles só têm validade se publicados -- e a lentidão da burocracia pode fazer com que o juiz do caso determine a remoção da comunidade antes que seu direito seja reconhecido. Eles estão com a faca no pescoço e nós podemos ajudar a vencer essa batalha se nos unirmos a essa causa! 

Não temos tempo a perder! O juiz decidirá na segunda-feira se retira os quilombolas ou espera a publicação do parecer do governo. A defensoria pública nos disse que somente uma grande mobilização popular pode impedir que a pressão da Marinha prevaleça. Junte-se a essa luta agora, e a Avaaz e o defensor público que defende os quilombolas entregarão a petição diretamente para o juiz quando alcançarmos 50.000 assinaturas

http://www.avaaz.org/po/urgente_quilombolas_em_risco_c/?bobnybb&v=16624 

De acordo com estudos, das três mil comunidades quilombolas que se estima haver no país, apenas 6% tiveram suas terras regularizadas. É um direito das comunidades remanescentes de escravos garantido pela Constituição, e responsabilidade do Poder Executivo emitir-lhes os títulos das terras. A cultura quilombola depende da terra para manter seu modo de vida tradicional e expulsar quilombolas dessas terras pode significar o fim de uma comunidade de 200 anos. 

A comunidade do Rio dos Macacos tem até o dia 1º de agosto para sair do local e, após isso, sofrerá a remoção forçada. Entretanto, temos informações seguras que técnicos já elaboraram um parecer que reconhece o direito dos quilombolas, mas ele só tem validade quando for formalmente publicado e a comunidade corre o risco de ser expulsa nesse intervalo de tempo. 

No caso do Rio dos Macacos, a pressão popular já funcionou uma vez, adiando a ação de despejo em 5 meses. Vamos nos juntar aos quilombolas e apelar para que o juiz da causa garanta a posse de terra dessa comunidade, e carimbe seu direito de viver em harmonia com suas terras. Assine a petição abaixo para impedir que a lentidão da burocracia acabe com uma comunidade tradicional

http://www.avaaz.org/po/urgente_quilombolas_em_risco_c/?bobnybb&v=16624 

Cada vez mais temos visto que, quando nos unimos, movemos montanhas e derrotamos gigantes. Vamos nos unir mais uma vez para garantir o direito de terra da comunidade quilombola Rio dos Macacos e dar paz as famílias que moram no local. Juntos podemos alcançar justiça! 

Com esperança e determinação, 

Pedro, Luis, Diego, Carol, Alice, Ricken e toda a equipe da Avaaz 


Mais informações: 

Balanço 2011 das Terras Quilombolas da Comissão Pró-Índio de São Paulo
http://www.cpisp.org.br/email/balanco11/img/Balan%C3%A7oTerrasQuilombolas2011.pdf 

'Os militares infernizam a nossa vida', diz quilombola sobre disputa por terra (Último Segundo)
http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/ba/2012-07-22/os-militares-infernizam-a-nossa-vida-diz-quilombola-sobre-disputa-por-terra.html 

Rio dos Macacos é quilombo, diz Incra (Tribuna da Bahia)
http://www.tribunadabahia.com.br/news.php?idAtual=122017 

Rio dos Macacos: Defensoria pede suspensão da retirada de moradores (Correio)
http://www.correio24horas.com.br/noticias/detalhes/detalhes-1/artigo/rio-dos-macacos-defensoria-pede-suspensao-da-retirada-de-moradores/ 


Apoie a comunidade da Avaaz!
Nós somos totalmente sustentados por doações de indivíduos, não aceitamos financiamento de governos ou empresas. Nossa equipe dedicada garante que até as menores doações sejam bem aproveitadas:Dona Agora

ASSUNTO SÉRIO.

400 mil pelo desmatamento zero
 
Ol,
A gente fez o chamado e você atendeu: ultrapassamos as 400 mil assinaturas pelo projeto de lei do desmatamento zero. Na última semana, o Dia de Mobilização pelas Florestas movimentou as redes sociais e o assunto foi um dos mais citados no dia. O resultado foram milhares de novas assinaturas por esse projeto de iniciaiva popular.
Mas ainda não chegamos lá. Precisamos de 1,4 milhão de pessoascomprometidas com essa causa. E precisamos de você para espalhar essa ideia. Quando o número for atingido, o projeto será encaminhado ao Congresso.Compartilhe!
E se você quer contribuir ainda mais, junte-se a nósO Greenpeace é uma organização independente, que não aceita dinheiro de empresas, governos ou partidos políticos.Dependemos da sua contribuição para continuarmos denunciando crimes ambientais e propondo soluções como a do desmatamento zero.
Divulgue a Campanha
 
Tatiana de CarvalhoUm abraço,
Tatiana de Carvalho
Coordenadora da Campanha da Amazônia
Greenpeace
Ajude o Greenpeace a proteger o planeta
Recebeu este e-mail de alguém?
» Encaminhe esse e-mail para um(a) amigo(a)
 Junte-se a nós

quarta-feira, 25 de julho de 2012

SOFTWARE LIVRE

nicia hoje o 13° Fórum Internacional Software Livre – fisl13
O evento mais consolidado do gênero na América Latina reúne grandes nomes da área em Porto Alegre e apresenta intensa programação sobre cultura hacker e tecnologias livres
Serão mais de 800 horas de programação, aproximadamente 50 oficinas e um público estimado em oito mil pessoas.
 
O maior encontro da América Latina e um dos mais consolidados do mundo na área de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), o Fórum Internacional Software Livre (fisl) chega a sua 13ª edição. O evento inicia hoje, dia 25, e seguirá até dia 28 de julho, no Centro de Eventos da PUCRS, em Porto Alegre e traz à capital gaúcha quase 700 palestrantes de mais de 20 nacionalidades, entre eles nomes consagrados da tecnologia mundial e cultura de rede, como o presidente fundador da Linux International, Jon Maddog Hall, e o fundador do Partido Pirata, o sueco Rick Falkvinge.
 
Serão mais de 800 horas de programação, aproximadamente 50 oficinas e um público estimado em oito mil pessoas. Evento acadêmico-científico, festival de robótica livre, rodada de negócios e uma intensa atividade cultural fazem parte da programação. Em busca de mobilização da sociedade para a liberdade e autonomia tecnológica, o fisl reúne comunidades de Software Livre de diversos países, grupos, profissionais, estudantes e entidades - um público global especializado, qualificado ou curioso a respeito da tecnologia da informação.
 
O fisl13 abordará a privacidade online, o marco regulatório da internet no Brasil, leis de controle ao acesso à rede, cooperativismo, sustentabilidade, políticas públicas, liberdade filosofia e cultura de soluções livres. Haverá, também, atividades distribuídas em zonas temáticas que tratarão sobre Admin, Desenvolvimento, Desktop, Ecossistema, Educação, Encontros Comunitários, Oficinas, Organização e Tópicos emergentes.
 
1ª Rodada de Negócios
 
Empreendedores também terão espaço no 13° Fórum Internacional de Software Livre. Em parceria com o Sebrae-RS e realização da Associação Software Livre.org, a Rodada de Negócios e Competências (RNC) tem por objetivo aproximar empresas que produzem e contratam serviços de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e que utilizem tecnologias livres. Haverá oportunidade de empresas comercializarem produtos prontos, desenvolverem parcerias comerciais, expansão de negócios, oferecimento de competências e desenvolvimento de softwares livres, entre outros. A Rodada de Negócios e Competências ocorrerá no dia 27 de julho, das 14h às 19h, no Centro de Eventos da PUCRS.
 
Ada Digital lança Banco Colaborativo durante o fisl13
 
Criado em julho, o Banco Colaborativo Ada Digital (BCAD) será lançado, no dia 27 de julho, às 15h, do Espaço Multiuso do 13° Fórum Internacional Software Livre (fisl13), em Porto Alegre. Concebido pela mineira Ada Lemos e operando em uma plataforma online criada em JOOMLA, o BCAD trabalhará na captação de recursos para projetos inovadores em Convergências Tecnológicas em Soluções Livres, tanto em conteúdo como em tecnologia em si. Os projetos que serão beneficiados com o BCAD são voltados para economia solidária e cooperativa e são prioridades assuntos como cultura, comunicação, moradia, agricultura, artesanato, cidadania, energia limpa, gestão, desenho industrial e congêneres. O Banco Digital terá juros de 4% ao ano para financiamentos de vários tamanhos, a partir de R$ 500,00.
 
Transparência de dados públicos
 
Com a temática de transparência de dados públicos, a W3C Brasil, em parceria com o Governo do Estado do Rio Grande do Sul e a PROCERGS, realiza a competição Decoders W3C RS, que premiará equipes que realizarem o melhor projeto de dados abertos governamentais. Na mesma ocasião, haverá reunião do Grupo de Trabalho (GT) de Dados Abertos do Rio Grande do Sul. A premiação será realizada no dia 27 de julho. A competição faz parte do compromisso do Governo do Estado do RS na criação de um ecossistema de reutilização e desenvolvimento de novos serviços públicos diretamente pela sociedade, incentivando técnicos a criar aplicações que decodifiquem massas de dados disponibilizadas pelo governo, transformando-as mais fáceis de serem utilizadas pela sociedade.
 
Certificação de LPI
 
Interessados em obter certificação profissional em Linux podem aproveitar o fisl para testar os conhecimentos e garantir o seu. A 4Linux ], parceira do evento, realizará as provas por meio da LPI – Linux Professional Institute, entidade reconhecida como a primeira organização a defender e ajudar o uso do Linux, Open Source e Software Livre por meio de certificação profissional. Os exames a serem aplicados serão LPIC 1, LPIC 2, LPIC 3 – 301, 302, 303 e 304. As provas, com duração de 90 minutos, serão realizadas nos dias 26 e 27 de julho, no período da manhã. Os candidatos poderão realizar até duas provas durante o evento em diferentes dias, sendo as duas para o mesmo nível.
 
Nova Economia Colaborativa
 
Negócios colaborativos com conceitos livres. O painel “A nova economia colaborativa”, que ocorrerá no dia 27 de julho, das 12h às 14h, na sala 40-A Paineis, da PUCRS, será coordenado pelo desenvolvedor da ProDesk e integrante da Associação Software Livre.org, Gustavo Pacheco. O debate terá como objetivo demonstrar a influência dos conceitos que marcam o desenvolvimento dos softwares livres e de código aberto em diferentes áreas de negócios. Open innovation, co-creation, crowdlearning, crowdfunding, entre outros termos recentes, tornaram-se frequentes para identificar modelos de desenvolvimento de produtos e serviços baseados na colaboração entre criadores, produtores e consumidores. Serão abordados no painel o desafio da criação de um novo negócio, as peculiaridades de cada modelo, a sustentabilidade e a continuidade, a importância do usuário, da Web e das redes sociais, o estabelecimento de diferenciais competitivos e colaborativos e a relação com os mercados e modelos tradi cionais de produção e de inovação. Além disso, será analisado o futuro dos negócios da nova economia colaborativa: onde estão as oportunidades e os riscos para os novos projetos. Estarão presentes Tomás de Lara, sócio da Engage/Catarse, Edgard Stuber, fundador do Nós.Coworking, Sandro Cortezia, da Venti, Daniel Larusso Barros, da Nós.vc, e Daniel Bittencourt, da Lung e do portal Porto Alegre.cc..
 
Comunidades
 
O fisl é o maior encontro de comunidades de Software Livre da América Latina e um dos mais consolidados e significativos do mundo. Reúne internautas e interessados do universo da tecnologia que abordam discussões, palestras, personalidades e novidades nacionais e internacionais do mundo do software livre.org.

Fonte: Imprensa
Autor: Enfato 
Revisão e Edição: de responsabilidade da fonte
RS