Páginas

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

SE UM CHEFE DE FAMÍLIA DESEMPREGADO ROUBAR UMA BANANA PARA SUSTENTAR O FILHO É PRESO NA HORA, MAS OS LADRÕES DO MENSALÃO QUE ROUBARAM MILHÕES ESTA DIFÍCIL DE SEREM PRESOS.



Mensalao

Supremo expedirá ordens de prisão para condenados no mensalão em julho

Joaquim Barbosa afirmou que penas foram 'baixíssimas' diante do desvio de R$ 100 mi de verbas públicas

28 de fevereiro de 2013 | 19h 05
MARIÂNGELA GALLUCCI - Agência Estado
BRASÍLIA - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, afirmou nesta quinta-feira, 28, que até 1º de julho deverão ser executadas as condenações do processo do mensalão que incluem prisões de 22 réus, entre os quais o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu e o ex-presidente do PT e deputado federal José Genoino.
Presidente do STF lembrou que nenhuma das penas deverá ser cumprida na sua totalidade - Nelson Jr./STF/Divulgação
Nelson Jr./STF/Divulgação
Presidente do STF lembrou que nenhuma das penas deverá ser cumprida na sua totalidade
"As ordens de prisão devem ser expedidas antes desta data", disse Barbosa durante uma entrevista coletiva concedida a jornalistas que trabalham para veículos de imprensa estrangeiros. No entanto, o ministro, que também é o relator do caso, disse que será necessário cumprir as últimas etapas do processo.
Tomada em dezembro após 4 meses e meio de julgamento, a decisão do STF ainda não foi publicada. Após a publicação oficial, será aberto um prazo de 5 dias para que os réus recorram. Depois disso, o plenário terá de julgar os recursos. Não há previsão de quando isso ocorrerá, apesar de o presidente ter dito nesta quinta que tudo deverá estar resolvido até 1º de julho.
As penas aplicadas pelo STF aos 25 condenados no processo do mensalão variam de 2 a 40 anos de prisão. O réu condenado à pena maior é o publicitário Marcos Valério Fernandes de Souza. Mas também foram considerados culpados o deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP) e o ex-tesoureiro petista Delúbio Soares.
Na entrevista concedida aos jornalistas, Joaquim Barbosa disse que diante do desvio de R$ 100 milhões de verbas públicas as penas foram "baixíssimas". O ministro reconheceu que nenhuma das penas deverá ser cumprida na sua totalidade porque há diversos recursos judiciais que podem ser usados para reduzir o tempo de permanência dos réus na prisão. 
O ESTADO DE SÃO PAULO

A QUADRILHA, MAS FALTA GENTE AÍ.


GOVERNO MORFÉTICO, DÁ COM UMA MÃO E TIRA COM A OUTRA.


Bandeira tarifária: entenda sistema que pode deixar energia mais cara

E-mailImprimirPDF
A partir de 2014, as contas de energia terão uma novidade: o Sistema de Bandeiras Tarifárias.  As bandeiras verde, amarela e vermelha indicarão se a energia custará mais ou menos, em função das condições de geração de eletricidade.

Hoje quando falta chuva e reduzem os níveis dos reservatórios das hidrelétricas e é necessário acionar as térmicas (que usam gás, carvão ou óleo combustível), há um custo extra cujo acréscimo é repassado uma vez ao ano, no momento do reajuste tarifário. Esse cálculo é feito pela Aneel para cada distribuidora do país em uma data específica. Essa data é determinada pelo contrato de cada empresa.

O sistema de “bandeira tarifária” que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), quer implantar nas contas de luz vai prejudicar os consumidores e pode anular os descontos tarifários recém-implantados.

O sistema possui três bandeiras: verde, amarela e vermelha – as mesmas cores dos semáforos - e indicam os custos da conta, com os seguintes critérios:

Imagem | SXC.Imagem | SXC.• Bandeira verde: condições favoráveis de geração de energia. A tarifa não sofre nenhum acréscimo e parte de um patamar mais baixo que a tarifa calculada pela metodologia atual;

• Bandeira amarela: condições de geração menos favoráveis. A tarifa sofre acréscimo de R$ 1,50 para cada 100 quilowatt-hora (kWh) consumidos;

• Bandeira vermelha: condições mais custosas de geração. A tarifa sobre acréscimo de R$ 3,00 para cada 100 kWh consumidos.


A PROTESTE, Associação de Consumidores, solicitou que o sistema não seja implantado. Trata-se de método para indicar e repassar, mensalmente, à conta de luz o custo adicional do acionamento das usinas térmicas. No ofício, a associação argumenta que a bandeira tarifária fere os interesses dos consumidores previstos no Código de Defesa do Consumidor, na Constituição Federal e, inclusive, na lei do regime de concessão e permissão da prestação de serviços públicos, assim como na Lei 9069/95 que dispõe sobre o Plano

Na avaliação da PROTESTE as dificuldades econômicas alegadas pelas empresas distribuidoras não podem transcender mais uma vez os direitos dos consumidores previstos na legislação. “A medida é ilegal e trará prejuízos ao consumidor”, avalia Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da PROTESTE.

A Aneel avalia a possibilidade de antecipar a implantação desse sistema tarifário diante da reivindicação das distribuidoras de energia que mais uma vez apelam para a alegação de desequilíbrio econômico-financeiro para justificar e fundamentar o repasse dos custos ao consumidor.
 CONSUMIDOR MODERNO.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

O 9 DEDOS AGORA SE DIZ SER LINCOLN.

O tal de Lula agora se diz ser Lincoln, mas acho que ele está mais para Capone. Como é ridículo esse cara, tem dia que diz ser Deus depois se compara a Cristo. Para mim não passa de corrupto e mentiroso que levou o Brasil para o buraco. O país agora deve 3 vezes mais do que na época de Fernando Henrique Cardoso. Depois da Copa essa dívida deverá subir para 5 vezes. É um jogo em que só os petistas ganham.

VEJAM O QUE O PT FEZ COM A VALE.


Vale tem 1º prejuízo trimestral desde 2002: R$ 5,6 bilhões

Perdas no 4º tri pressionaram o resultado fechado de 2012, cujo lucro recuou 74,3% e atingiu R$ 9,7 bi

27 de fevereiro de 2013 | 19h 24
Mônica Ciarelli e Vinicius Neder, da Agência Estado
Texto atualizado às 20h20
RIO - A mineradora Vale registrou no quarto trimestre do ano passado prejuízo de R$ 5,628 bilhões, o primeiro resultado negativo trimestral desde 2002. Com isso, o lucro líquido de 2012 foi de R$ 9,734 bilhões, queda de 74,3% em relação a 2011. O prejuízo no último trimestre do ano passado deveu-se a baixas contábeis e já era esperado pelo mercado.
O último resultado no vermelho da mineradora foi registrado no segundo trimestre de 2002, de US$ 150 milhões. Ao divulgar os dados na noite de ontem, a companhia informou que o lucro líquido básico - excluindo o efeito de itens não caixa não recorrentes, como as baixas contábeis - foi de R$ 22,2 bilhões ano passado, contra R$ 39,2 bilhões em 2011, queda de 43,4%.
A empresa se disse impactada pelo menor crescimento da economia global. "Uma das consequências do cenário macroeconômico adverso foi a queda generalizada dos preços de minérios e metais", diz a empresa no balanço.
O presidente da Vale, Murilo Ferreira, procurou sinalizar para uma melhora de preços neste ano. "Acredito que o mercado será menos volátil e com demanda maior por matéria-prima", afirmou Ferreira, em teleconferência. O executivo reforçou o compromisso da mineradora com corte de custos e eficiência.
A estratégia, segundo Ferreira, será a companhia manter uma carteira de projetos menor, mas, com potencial para remunerar de forma "extraordinária" o acionista. Ferreira reiterou o foco no desenvolvimento do projeto Serra Sul, orçado em quase US$ 20 bilhões. Em 2012, os investimentos da Vale foram de US$ 17,7 bilhões, inferior aos US$ 21,4 bilhões previstos inicialmente.
As baixas contábeis com ativos somaram R$ 8,211 bilhões. Estão incluídas aí operações de níquel de Onça Puma (R$ 5,770 bilhões), no Pará, e minas de carvão na Austrália (R$ 2,139 bilhões). Outra parte das baixas, de R$ 4,002 bilhões, referem-se a investimentos, incluindo a siderúrgica CSA, parceria com a alemã Thyssenkrupp, localizada no Rio.
A CSA custou uma baixa de R$ 1,8 bilhão à Vale. De acordo com Ferreira, a baixa não teve relação com o processo de venda da siderúrgica, que está sendo negociada pela Thyssenkrupp. O executivo sustentou que, devido a problemas ocorridos no início da operação da CSA, a Vale teve de fazer ajustes.
O prejuízo da Vale no quarto trimestre estava dado, lembrou o estrategista-chefe da corretora SLW, Pedro Galdi, porque as baixas contábeis já eram esperadas pelo mercado. Todas as projeções levantadas pelo Broadcast, serviço de tempo real da Agência Estado, indicavam prejuízo, oscilando de US$ 516 milhões a US$ 2,859 bilhões, no padrão contábil norte-americano. Por esse cálculo, o prejuízo do quarto trimestre foi de US$ 2,647 bilhões.
Segundo Galdi, seria mesmo melhor para a empresa "limpar" logo o balanço, para poder "fazer bonito" neste ano. "O resultado de 2012 já estava contaminado", disse Galdi, em entrevista antes do anúncio do balanço.
A receita operacional nos últimos quatro meses de 2012 totalizou R$ 24,707 bilhões, subindo 11,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior. Segundo a Vale, o aumento ocorreu principalmente devido à elevação preços na passagem do terceiro para o quarto trimestre.
No quarto trimestre, o preço médio do minério de ferro foi de US$ 93,66 por tonelada, contra US$ 83,69 no período imediatamente anterior. Na média anual, porém, o preço de 2012 ficou em US$ 96,77 por tonelada, contra US$ 136,07 em 2011.
Galdi destacou ainda que as baixas contábeis com desvalorização de ativos estão afetando os resultados de 2012 de todas as grandes mineradoras globais, principais concorrentes da Vale - BHP Billiton, Anglo American e Rio Tinto. Todas as três mudaram seus presidentes nos últimos meses.
"A crise trouxe isso. Quando as empresas compraram ou investiram nesses ativos, eles valiam 100, agora valem 20", exemplificou Galdi, lembrando que as baixas contábeis fazem parte de um processo de adaptação das companhias a um novo cenário internacional após 2008.


33 ANOS DE FUNDAÇÃO DO PARTIDO MAIS CORRUPTO DO BRASIL.


Oposição coloca placa para lembrar o mensalão em mostra do PT na Câmara

Parlamentares do DEM e do PSDB resolveram 'completar' a história oficial exposta pelo partido

27 de fevereiro de 2013 | 17h 01
DENISE MADUEÑO - Agência Estado
BRASÍLIA - Terminou em tumulto, xingamentos e bate-boca entre deputados a manifestação da oposição contra uma exposição em homenagem aos 33 anos de fundação do PT. Parlamentares do DEM e do PSDB resolveram "completar a história" oficial exposta pelo partido em um dos principais corredores da Câmara colocando uma placa "comemorativa" para lembrar o escândalo do mensalão.
Placa lembrava o ano de 2005, ano da denúncia do mensalão; iniciativa terminou em tumulto - Ed Ferreira/AE
Ed Ferreira/AE
Placa lembrava o ano de 2005, ano da denúncia do mensalão; iniciativa terminou em tumulto
A exposição do PT em homenagem ao aniversário do partido registra com fotos e textos momentos petistas importantes, desde os anos 70 com a greve em São Bernardo do Campo (SP), comandada pelo então metalúrgico Luiz Inácio Lula da Silva, até 2012. A linha de tempo pula de 2004 para 2006. E foi justamente aí que a oposição criou uma placa avulsa, montada em um cavalete, "2005 - O ano do mensalão".
O deputado Amauri Teixeira (PT-BA) não gostou e levou a placa embora, nas costas dos deputados de oposição, enquanto eles davam entrevista sobre o evento. "Isso é coisa de moleque! É uma falta de respeito!", bradava o petista. Deputados começaram a chamar o petista de "mensaleiro" e o coro dirigido a Amauri foi crescendo, aumentando a indignação do deputado que quis partir para a briga.
"Fala na minha frente! Não sou mensaleiro! Sou homem direito!", gritava. O deputado Edson Santos (PT-RJ) entrou para acalmar Amauri Teixeira e os seguranças foram acionados para tirar o deputado irritado do corredor. "É um desrespeito com o PT. A oposição não tem o direito de diminuir a nossa exposição. Eu tirei porque a placa estava na frente da nossa exposição", contestou Teixeira.
"Essa é a intolerância do PT à verdade e ao contraditório", afirmou o líder do DEM na Câmara, Ronaldo Caiado (GO). "O nosso partido fez uma exposição de um fato real. Essa é a realidade do PT no ano de 2005", disse. "O DEM preencheu o vazio da história. Oferecemos uma contribuição dentro do espaço democrático", afirmou o deputado Mendonça Filho (DEM-PE).
O deputado Onix Lorenzoni (DEM-RS) provocou: "Os petistas roubaram até a placa". O deputado Mendonça Filho completou: "Nem a placa escapou". O painel do DEM foi levado ao gabinete da liderança do PT, embora assessores petistas neguem que ela esteja lá. A placa do DEM segue o design adotado na exposição do PT, com uma estrela no centro do painel, fotos de petistas condenados pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento do mensalão e manchetes de jornal na época do escândalo. 
O ESTADO DE SÃO PAULO.

O FORA RENAN CONTINUA.

Caros amigos do Brasil, 

Quando o Senado abriu suas portas na semana passada eles foram recebidos por um banner enorme com uma mensagem clara: 1,6 milhão dizem “Fora Renan!” Em seguida, surpreendemos o Senado ao entregar a nossa petição diretamente aos senadores de cinco partidos diferentes na frente de inúmeras câmeras de TV. Nós nos tornamos o pior pesadelo de Renan, e agora estamos levando este movimento para a próxima fase... 

Entrega no Senado
Nas últimas três semanas, a nossa petição se tornou provavelmente a petição com maior crescimento no Brasil, e, em apenas alguns dias, enviamos 164.000 mensagens diretamente para as caixas de entrada de emails dos senadores. Quando mostramos a petição ao senador Cristovam Buarque, ele disse: "O Senado não tem o direito de virar as costas para essa questão", e o senador Pedro Simon disse, "Nós só vamos moralizar o Congresso dessa maneira, com vocês, as pessoas, tomando uma posição. Isso vai crescer, e juntos faremos as mudanças que precisamos!". A campanha esteve em toda a imprensa e foi destaque nas revistas semanais mais influentes fora do país.

Nossas vozes abalaram Brasília – deixamos claro que os brasileiros não aguentam mais nem corrupção nem Renan. Agora, alguns senadores estão começando a reagir e outros estão se amendrontando, e se aumentarmos a pressão, juntos podemos levá-los a abandonar Renan, e vencer. 

Aqui está o que podemos fazer juntos:
    Bandeira da Avaaz
  • Pressionar cada senador a abandonar Renan, pois ele é uma ameaça à nossa democracia.Mais da metade dos nossos senadores não votaram em Renan ou estão com medo de admitir que votaram. Se todos nós escrevermos e ligarmos para nossos senadores exigindo ação, vamos dar a eles um mandato da opinião pública impossível de ser ignorado para bloquear este sujeito sob suspeitas. Se pudermos conseguir um senador, depois dois, depois 10, depois 30 senadores nos prometendo obstruir as negociações do Senado até que Renan renuncie, nós venceremos. Foi isso que aconteceu em 2007, e agora temos um movimento popular muito mais forte para pressioná-los.

  • Mostrar aos senadores que a maioria dos brasileiros quer Renan fora. 1,6 milhão de nós – o dobro do número de pessoas que o elegeram – já pediram que Renan deixe o poder. Mas se fizermos uma pesquisa de opinião e pudermos mostrar que a esmagadora maioria dos brasileiros quer Renan fora, os senadores, que concorrerão às eleições do ano que vem, vão se sentir ainda mais pressionados para responder a demanda popular.

  • Apelar ao Supremo Tribunal Federal para acelerar o caso Renan. Já existe um processo contra Renan no STF e a Ordem dos Advogados do Brasil está prestes a apresentar um caso desafiando o voto secreto que o elegeu presidente como inconstitucional, e pedindo a anulação dessa eleição. Nós não podemos interferir nas suas deliberações, mas podemos exigir que sendo estes casos de importância nacional eles devem ser analisados rapidamente e não podem ser esquecidos em um lamaçal de desculpas e atrasos.
Estas são as três táticas para levar nossa campanha para a próxima fase, mas agora somos uma sólida comunidade de 3 milhões de pessoas no Brasile se todos nós compartilharmos nossas melhores idéias, poderemos construir uma estratégia política bombástica para vencer. Clique para postar suas melhores sugestões e ver as ideias dos outros para nos livrarmos de Renan e limpar o Congresso:

http://www.avaaz.org/po/renan_report_back_and_survey/?bobnybb&v=22372 

Renan representa tudo de pior do antigo estilo brasileiro de política suja e ele vai lutar para se agarrar ao poder. Os desafios poderão vir intensamente, e nossa comunidade já tem respondido retumbantemente contra os ataques a este movimento, comentário por comentário. Mas para vencer nós vamos ter que continuar a mostrar mais e mais/marcando presença até que os nossos políticos percebam que esse novo movimento popular não vai recuar até que Renan esteja fora.

Há apenas três semanas o Senado pensava que poderia escapar com o voto secreto, apesar das acusações de corrupção devastadoras contra o Renan. Eles quiseram nos fazer de palhaços. Agora, este é um confronto para defender nossa democracia. O sentimento anti-Renan está galvanizando todo o páis e se ficarmos juntos podemos nos livrar de Renan e transformar o país. Clique para participar do grande bate-papo de sugestões de ideias do “Fora Renan” e junte-se a este movimento por mudança.

http://www.avaaz.org/po/renan_report_back_and_survey/?bobnybb&v=22372 

Eles vão nos dizer que é impossível, mas podemos vencer. O poder popular venceu no passado com a Ficha Limpa, apesar de por muito tempo as pessoas terem dito que a lei não seria aprovada. Agora vamos limpar de fato a política de cima pra baixo e tirar a mácula do Renan da nossa democracia.

Com esperança,

Pedro, Alex, Carol, Diego, Paul, Alice e toda a equipe da Avaaz

PS. Nossa incrível petição de 1.6 milhao de pessoas começada pelo Emiliano, um jovem de 26 anos de Ribeirão Preto. Com apenas alguns cliques, qualquer pessoa pode criar uma campanha para aproveitar o poder da nossa comunidade -- clique abaixo para ver o quão fácil é começar sua própria petição na comunidade da Avaaz: http://avaaz.org/po/petition/start_a_petition/?22372

PPS: Emiliano, que começou essa enorme petição no Petições da Comunidade, convida você a se juntar ao grupo do Facebook EuQueroORenanForapara aumentar a pressão da opinião pública e lutar contra a corrupção.




Espalhe Cultura KoboEspalhe Cultura KoboEspalhe Cultura KoboEspalhe Cultura Kobo
Espalhe Cultura KoboEspalhe Cultura KoboEspalhe Cultura KoboEspalhe Cultura Kobo
Espalhe Cultura KoboEspalhe Cultura KoboEspalhe Cultura KoboEspalhe Cultura Kobo
Espalhe Cultura KoboCaro afiliado,

A família Kobo aumentou!

Agora, além do eReader Kobo Touch, trouxemos dois novos modelos:
Kobo Glo e o Kobo Mini.

Praticidade, capacidade para milhares de eBooks, tela sem brilho que parece papel e tecnologia para baixar eBooks direto no aparelho. E agora, uma opção que cabe no bolso - literalmente - e outra para ler em ambientes com pouca iluminação.
Espalhe Cultura Kobo
Espalhe Cultura KoboEspalhe Cultura KoboEspalhe Cultura KoboEspalhe Cultura Kobo
Espalhe Cultura KoboEspalhe Cultura KoboAproveite a oportunidade, os banners Kobo Livraria Cultura com os novos modelos já estão disponíveis!
Acesse o seu cadastro para atualizá-los. Ah, também é possível criar links comissionados para os três eReaders disponíveis.


Ótimas vendas!
Espalhe Cultura Kobo
Espalhe Cultura KoboEspalhe Cultura KoboEspalhe Cultura KoboEspalhe Cultura Kobo
Espalhe Cultura KoboEspalhe Cultura KoboEspalhe Cultura KoboEspalhe Cultura Kobo
Espalhe Cultura KoboEspalhe Cultura KoboEspalhe Cultura KoboEspalhe Cultura Kobo